Logo Corretores de Seguros
Fenacor

SITES RESPONSIVOS PARA
CORRETORES DE SEGUROS
Associe-se ao serviço
Faça sua Incrição

Sites Responsivos

Ajusta-se a tablets e celulares,
aparecem mais na busca do Google.

Blog
SEO
Facebook Ads
Google Adwords
Sites Personalizados

Consulte-nos

Benefícios


Site Responsivo
Padrão ou Personalizado
Chat Online
Suporte
10 contas de e-mail
Atualização de conteúdo

Veja os modelos Padrão

Valores


Taxa de Instalaçao do Site Padrão
R$ 379,90 (parcela única)

Mensalidade
R$ 39,90

Faça sua Inscrição

MODELOS


Sites Responsivos ajustam-se às telas dos dispositivos eletrônico, reposicionando automaticamente os elementos do site em cada dispositivo utilizado, a fim de mantê-lo funcional em vários formatos e tamanhos de tela.

Ter um site responsivo, é fundamento para que sua empresa se destaque nos mecanismos de buscas.

O Site Responsivo também possibilita ao usuário uma experiência agradável na navegação.

Com conteúdos relevantes e posicionamentos adequado de cada item inserido no site, o cliente recebe informações claras e objetivas sobre sua empresa e seu produto.

ESCOLHA SEU MODELO

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.


Notícias do Mercado de Seguros

Guarda-roupas dos brasileiros fica mais informal com a crise econômica
Qua - Julho 5, 2017 1:44 pm  |  Artigo Acessos:7922  |  A+ | a-
Fonte: FOLHA DE SP

A recessão potencializou uma tendência que já se observava na moda, a do uso de calças casuais. Em dois anos, a venda de peças sociais caiu 25%, enquanto o mercado geral perdeu 11,5%.

Os dados são da consultoria Iemi, que monitora o desempenho desse mercado.

Com a crise, as peças polivalentes ganharam fatia de mercado, afirma Marcelo Prado, sócio da empresa.

"Na recessão, o guarda-roupas dos brasileiros fica ainda mais informal, porque os consumidores postergam as compras de itens que só vão usar em poucas ocasiões", afirma Prado.

As calças sociais também estão associadas ao uso no trabalho, e com a alta do desemprego, ela perde mais vendas que as de outras modalidades, segundo ele.

As peças de uso profissional, como as de uniformes, foram as que tiveram o segundo pior desempenho durante a crise -queda de 22,4%.

"Esse segmento sempre sofre mais que outros em crises, e agora, com obras paradas e investimentos estancados, isso aconteceu de novo", afirma Fernando Pimentel, presidente da Abit (associação do setor de roupas e tecidos).

Toalhas e roupas íntimas -especialmente masculinas- são outras peças que enfrentam pioras mais fortes, segundo Pimentel.

A produção de confecções cresceu 5,5% nos primeiros meses de 2017, em parte porque as vendas do primeiro semestre de 2016 foram muito baixas. O desempenho não deve se manter assim até o fim deste ano. 
Top