DATA: 2021-02-09 23:37:42


Seguro de vida: cresce o número de vendas na pandemia

Fonte: N.F. - Revista Apólice

Na Corretora de Seguros Bancorbrás, o aumento das vendas da proteção foi de 13,21% no período de janeiro a dezembro de 2020.

Em um ano atípico, uma proteção chamou mais atenção dos brasileiros: o seguro de vida. A proximidade com uma doença que já afetou milhares de pessoas, como o Covid-19, fez com que as pessoas investissem no seguro para proteger e garantir o futuro da família. Na Corretora de Seguros Bancorbrás, que oferece para os clientes o seguro individual com cobertura para doenças graves, o aumento das vendas foi de 13,21% no período de janeiro a dezembro de 2020.

Com essa modalidade, caso o cliente seja diagnosticado com alguma doença mais séria pode ser indenizado e usar a apólice no tratamento ou de acordo com as suas necessidades. Algumas coberturas oferecem também a possibilidade de pagamento para a realização de procedimentos médicos, como cirurgias e transplantes de órgãos. “Sabemos que no momento do diagnóstico de uma doença grave ocorre o impacto psicológico e financeiro da família. É neste momento que o seguro se torna um grande aliado”, comenta o diretor Executivo da Corretora de Seguros Bancorbrás, Luiz Carlos Gama Pinto.

A Corretora oferece para os interessados duas opções: Doenças Graves e Doenças Graves Mais. A primeira cobre casos de acidente vascular encefálico (derrame), câncer, cirurgia de revascularização miocárdica com implantes de pontes vasculares nas artérias coronarianas (bypass), insuficiência renal terminal, infarto agudo do miocárdio e transplante de órgãos. Já a segunda opção cobre também cirurgia da aorta, cirurgia das valvas cardíacas, esclerose múltipla e doença de Alzheimer.

“A cobertura para doenças graves não é item básico nos seguros. Ele é uma proteção adicional. Diante do diagnóstico de qualquer doença grave prevista na apólice, a seguradora paga a indenização. Para ter direito ao pagamento, a doença deve ser diagnosticada após o prazo de carência”, explica Luiz.

Imprima